quarta-feira, 20 de março de 2019

A seleção está de volta, e o capitão também




Houve grandes surpresas nos convocados da seleção para os jogos de apuramento para o Euro2020. A mais surpreendente de todas foi a convocatória de Dyego Sousa, avançado do Sporting de Braga. O avançado luso-brasileiro, de 29 anos, foi convocado pela primeira vez para a seleção nacional. Um nome inesperado e que apesar da excelente prestação no clube, na minha opinião não faz muito sentido. Porquê, perguntam vocês? Porque Dyego Sousa já tem quase trinta anos, e se queremos renovar o ataque para quê naturalizar estrangeiros, quando podíamos convocar jogadores mais novos e começar já a preparar o futuro do nosso ataque. Assim de repente vem-me à cabeça nomes como Rafael Leão ou Gonçalo Paciência, nomes que têm feito boas prestações nos seus clubes, e que merecem uma atenção especial. Por isso, não pensem que se trata de xenofobia ao algo parecido, simplesmente acho que Portugal tem tanto talento jovem, que o devemos aproveitar. 

Como tal é de elogiar as estreias de Diogo Jota e João Félix na convocatória. Dois jovens cheios de talento, e com muito futebol nos pés. Dois miúdos que vão ser o presente e o futuro da nossa seleção.  

Quem também está de volta, é o nosso capitão. Depois de ter levado a Juventus a uma reviravolta épica na Liga dos Campeões, Cristiano Ronaldo está de regresso após alguns jogos de ausência. Um regresso muito aguardado, e desejado por todos os portugueses.

José Sá é outra das novidades. O jovem guarda-redes do Olympiacos está de volta aos eleitos da seleção, ele que tem sido um dos destaques da equipa grega liderada por Pedro Martins. 

O mister Fernando Santos tem conseguido fazer uma boa introdução de jogadores jovens nas convocatórias da seleção. Rúben Neves, Bernardo Silva, Bruno Fernandes, Rúben Dias, João Cancelo  ou André Silva são alguns talentos que tem vindo a ser integrados ao longo dos últimos tempos e que tenho a certeza que vão fazer parte de um período de muito risonho da nossa história.

A defesa do titulo de campeão europeu está agendada para os dias 22 e 25 de março frente a Ucrânia e Sérvia. O palco dos jogos será o Estádio da Luz. 

 Cristiana Ribeiro Pina 

sexta-feira, 15 de março de 2019

Se sonhar é permitido, que comece o sonho!





Realiza-se hoje o sorteio dos quartos-de-final da Liga dos Campeões. É um misto de emoções. O sonho de voltar a levantar a taça é gigante, mas é preciso manter os pés bem assentes na terra e perceber que há equipas que, atualmente, têm mais condições para o conseguir. Ainda assim, sonhar não é proibido e enquanto o FC Porto jogar como equipa tudo é possível. 


Manchester United, Manchester City, Liverpool, Tottenham, Barcelona, Juventus, Ajax e FC Porto. São estas as oito equipas classificadas para os quartos-de-final. São estas as oito melhores equipas da Europa. E há uma certeza: uma delas será a vencedora.



Sinceramente, qualquer equipa será um adversário difícil e temível para o FC Porto, mas, se analisarmos pormenorizadamente, talvez o Ajax seja a equipa teoricamente mais acessível. De qualquer das formas, os holandeses chegam a esta fase da prova depois de eliminarem os campeões em título, o Real Madrid. Portanto, facilitismos é coisa que não haverá. 



De todos os adversários, o que me causa maiores calafrios é o Liverpool. A explicação é simples... A derrota pesada no dragão, por 5-0, na época passada, ainda não foi esquecida e a possibilidade de viver tudo outra vez, é assustadora. Mas dos fracos não reza a história. 



As restantes equipas ingleses são sempre equipas temíveis. O futebol inglês, para mim, continua a ser o melhor. E, por isso mesmo, a ter as melhores equipas. O United recuperou de uma desvantagem da primeira mão. O City deu uma lição de futebol ao Schalke. Já o Tottenham foi imperial diante do Dortmund. Nenhuma equipa é acessível.



Sobram ainda dois gigantes: Barcelona e Juventus. As duas equipas por si só já são de um nível superior, mas se juntarmos a isso terem os dois melhores jogadores do mundo: Ronaldo e Messi... As coisas complicam.



Seja qual for o adversário, o FC Porto tem apenas de ser igual a si próprio e jogar de acordo com as suas capacidades. Nenhum jogo está ganho antes de começar, nem nenhuma equipa vence sem jogar. Sonhar é permitido. Que se sonhe. As contas fazem-se no fim.

quarta-feira, 13 de março de 2019

Ronaldo abandona Madrid (nos oitavos da Champions)



Juventus vs Atlético Madrid. Provavelmente o jogo mais esperado dos oitavos de final da Liga dos Campeões, face ao resultado em Espanha, que colocava a equipa de Turim com um pé fora da competição e pela expectativa do que iria fazer o "Senhor Champions" para reverter a situação.

E, sem grande surpresa para quem reconhece o talento de CR7, o português tornou-se na peça fundamental do puzzle da qualificação da Juventus para os quartos de final. Autor do três golos da partida, Ronaldo não acusou a pressão da remontada e deu verdadeiras dores de cabeça ao coletivo de Simeone, conhecido pelas suas capacidades defensivas. 

Apesar do grande mérito da Juventus, há que admitir que a estratégia do Atlético não foi bem pensada desde início. Sabendo-se de antemão que a principal arma do adversário residia no jogo exterior direcionado para Cristiano Ronaldo, sempre presente na grande área, Simeone optou por colocar os 11 jogadores no último terço do campo, permitindo o surgimento constante de cruzamentos para o centro, dois dos quais resultaram em golos do oponente. Era imperativo anular os laterais e "tapar" o jogo aéreo do madeirense (ou pelo menos tentar). 

Falhando neste aspeto, bastou apenas ao coletivo de Turim fazer o que sabe melhor. Defender bem, contrariando os homens fortes do ataque do adversário (Morata e Griezmann), trabalho feito de forma exímia pelos suspeitos do costume - Cancelo, Bonnuci e Chiellini, e deixar que CR7 aparecesse para concretizar. 

A remontada da Juventus eleva-a ao estatuto de uma das oito melhores equipas da Europa, juntando-se aos finalistas Ajax, Tottenham, Manchester United, FC Porto e Manchester City. Ficam por decidir os duelos entre Barcelona e Lyon; e ainda Bayern Munique e Liverpool. 

A competição é feroz, mas sabe-se que Cristiano Ronaldo quer sempre ganhar a Liga dos Campeões. E a verdade é que quando Ronaldo quer, Ronaldo luta e Ronaldo tem. 

Avizinham-se grandes jogos de futebol. Felizes de nós por podermos assistir.


Beatriz Manaia