terça-feira, 19 de setembro de 2017

Desabafos de uma adepta do Benfica


Depois de três dias (sábado, domingo e segunda) a tentar digerir a derrota e fraca exibição por parte do Benfica, decidi vir aqui escrever e partilhar com vocês o meu completo desagrado.

Desde o início da época, pré-época incluída, que o Benfica não convenceu. Inicialmente e com o mercado de transferências aberto, achamos nós que as coisas iam mudar, que iríamos trazer reforços para a equipa, para colmatar as saídas de três dos nossos jogadores principais, e que íamos começar a jogar melhor à bola.

Isso não aconteceu. Sim fomos buscar alguns jogadores, algumas promessas, mas com a exceção de Seferovic, nenhum deles joga na equipa principal, com exceção de um ou dois jogos no início.

Agora perdemos no Bessa, frente ao Boavista, num jogo que estívemos a ganhar por 1-0. A primeira parte nem foi má de todo, com várias ocasiões para os encarnados mas a displicência e apatatia dos jogadores fizeram com que perdessem o jogo.

Para além da mísera exibição, a falta de respeito dos jogadores para com a massa adepta mete nojo. Muitos foram aqueles que se deslocaram ao Bessa para apoiar o Benfica e nem um agradecimento depois do jogo tiveram direito.

Eu sei que a derrota mexe com os jogadores mas têm de perceber que ainda mexe mais com os adeptos, que permanecem ao lado do clube enquanto que os jogadores entram e saem.

O Benfica, não só os jogadores mas como os dirigentes, têm de começar a tratar os adeptos como isso mesmo, adeptos, que aconteça o que acontecer vão lá estar sempre para apoiar, e não como clientes.

O preço praticado pelo Benfica nos jogos em casa é inadmissível para as exibições que nos estão a apresentar. Custou-me imenso ver a Luz despida na passada terça feira frente ao CSKA. Os preços frente ao United ultrapassam os 120 euros e o mais barato a última vez que verifiquei eram 40 euros para o público ou seja, não sócio.

Nós fazemos esforços pelo Benfica, tentamos estar presentes não só em casa mas como fora. É rara a vez em que o Benfica mesmo jogando fora não se sinta em casa.

Os adeptos merecem mais, merecem exibições melhores, merecem que os jogadores pensem no símbolo que carregam ao peito e não no nome que trazem às costas. Os adeptos merecem também mais respeito, porque enquanto que os adeptos amam o Benfica incondicionalmente, os jogadores são pagos para jogarem à bola e representarem as nossas cores.

O Benfica precisa de mudar, mudar de mentalidade principalmente. Lá por sermos os detentores do título, não quer dizer que os adversários não nos deêm luta, aliás ainda mais luta eles dão. E à que baixar a cabeça, e deixar essa arrogância de que somos superiores, só somos superiores aos nossos adversários se ganharmos os jogos. As camisolas não ganham jogos e os jogadores do Benfica já deviam saber isso.

Para finalizar, não é por criticar e exigir melhores exibições e vitórias ao Benfica que amo menos o meu clube, simplesmente recuso-me a passar paninhos quentes e a fechar os olhos perante o que se anda a passar. Contínuo a amar o meu clube incondicionalmente e a acreditar que vamos conquistar o penta.

Bárbara Pereira 

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Para ser diferente


Hoje resolvi fazer um texto diferente. Este blog enche linhas atrás de linhas sobre futebol, enche linhas e linhas de opinião sobre diversos jogos, treinadores, situações caricatas... e hoje vai encher-se de linhas sobre ele mesmo. 

Há quatro anos e pouco, quando arranquei com o 1º artigo por aqui tinha um objectivo em mente: fazer do futebol no feminino um órgão de informação desportivo apenas e só escrito por mulheres. Entretanto os tempos foram avançando e a verdade é que aquilo que o FF era no início já deixou de o ser, mas a essência continua cá. Já não temos antevisões, entrevistas, resumos de jogos e crónicas, mas contamos com artigos de opinião única e exclusivamente escritos por mulheres. 

E na minha mais modesta opinião, apesar de termos tido coisas muito boas ao longo destes quatro anos, o melhor é ver o quanto crescemos. O quanto as pessoas gostam ou não gostam, concordam ou não concordam com aquilo que por aqui escrevemos, porque em boa verdade, até quem não gosta, acaba por passar por aqui para ver do que falamos. 

Há coisa de dois anos, fizemos um inquérito anónimo aos leitores e houve um (ou uma) que nos comentários finais nos pediu para "acabarmos com esta palhaçada", ora, antes de mais nada: Obrigada, porque para saber que era uma "palhaçada " teve de passar por aqui, digo eu, para vir ver. Depois deixe-me só dizer-lhe que não há ninguém que consiga agradar a toda a gente e é por isso mesmo que por aqui vamos tendo textos de mulheres afectas aos 3 grandes. Seguidamente deixe-me informar que não atendemos ao seu pedido porque, felizmente, são mais aqueles que nos apoiam e que nos dão os parabéns do que aqueles que nos consideram umas palhaças como disse. 

Eu não tenho problema nenhum em dizer que foram milhentas as vezes em que pensei desistir, até porque as dores de cabeça, as chatices e o trabalho que isto implicou foram muitas. Mas não o fiz e porquê? Por culpa de quem vem cá ler cada vez que há um texto novo, seja ele sobre que assunto for. Por culpa dos Parabéns pelo trabalho que temos feito nos últimos anos. Por culpa do futebol, por culpa do amor. 

Amor? Sim, ao futebol e à escrita. Amor a quem nos acompanha, amor pelas linhas, pelas palavras e pelas opiniões. Porque como já disse por diversas vezes e em várias situações, eu escrevo sobre futebol porque não conheço outra forma de mostrar o meu amor por isto. 

E o que é que o Futebol no Feminino me trouxe? Dores de cabeça, lágrimas, ataques de pânico, ataques de choro, chatices, problemas e muita confusão? Claro que sim! Mas também me trouxe os convites que eu aceitei! Estive no Vavel, estive no R treinador, estou na Curva Belíssima, no Ambidestro, no Super Sporting, na Sporting Fans e no DaBancada. É muito trabalho? É sim, mas eu estou feliz e sou feliz assim e se hoje o sou, a este blog o devo! E se este blog existe, é por culpa vossa e assim há-de ser por muitos e longos anos! 

Um Obrigada nunca será suficiente! 



Mariana Cordeiro Ferreira

domingo, 3 de setembro de 2017

Desvalorizar os próprios jogadores


O mercado de transferências fechou em Portugal na passada quinta feira mas aqui no nosso país ainda dá que falar.

O Sporting é o protagonista com dois casos. Primeiro Adrien, que espera a decisão da Fifa para ver realizada a sua transferência para o Leicester e William Carvalho que recebeu ou não propostas do West Ham.

Eu vou falar do caso do William porque fiquei demasiado incomodada com o presidente do Sporting.

Eu não sei se houve ou não propostas pelo jogador mas William foi dos nomes mais falados para sair dos leões.

Talvez os jornais só quisessem vender, mas não foram só os jornais a dar conta do interesse da Europa no médio, também os programas da televisão, nomeadamente o Mais transferências , falaram nessa possível saída.

Mas isso não interessa, interessa é que Bruno de Carvalho veio a público dizer que não recebeu nem uma nem duas propostas por William, não recebeu nenhuma.

Qual é a necessidade de vir a público dizer isso? Podem ter perguntado sim, mas ele percebe que está a desvalorizar um ativo seu?
Porque a meu ver, quando não há nem um clube que seja interessado em tal jogador, é porque talvez ele nem seja bom, ou pelo menos não deu não fez nada durante a época que o tenha feito destacar-se.

A meu ver ele desvalorizou o seu jogador e isso incomodou-me imenso. Só o William sabe a verdade, uma vez que Sporting e West Ham não se entendem mas imaginem que houve propostas, como é que acham que o médio se sente a ouvir o seu presidente dizer que ninguém o quis?

E mesmo que não tenha havido propostas, é humilhante o próprio presidente vir dizer que ninguém o quis contratar.

Bárbara Pereira