segunda-feira, 18 de junho de 2018

Ora com licença!


"Outro artigo sobre a selecção meninas? Não chega já? Parece que vocês não estão a ver mais nada no Mundial sem ser a selecção." Estamos, mas em boa verdade, as outras selecções nacionais pouco me interessam. Eu vejo os outros jogos, gostei muito de ver o Messi a falhar o penalti (Julguem-me lá agora) e gostei muito de saber que este Mundial pode muito bem vir a ser português. 

Sim, não fizemos uma boa campanha em 2014, mas são incomparáveis as condições que tivemos no Brasil e as condições que temos hoje. Em 2014 não chegámos à melhor competição do Mundo como Campeões Europeus, em 2014 não tínhamos o melhor do Mundo a 100% como temos agora, mas, principalmente, em 2014 não havia Fernando Santos e só aí, já se vê toda a diferença. 

Entretanto o tempo passou e com o tempo ganhámos um Europeu, ganhámos capacidade de afirmação e capacidade de mandar calar tudo e todos quando toca a criticar o nosso futebol nacional. Eu disse isto em 2016 e vou voltar a dizer: a mim não me interessa que o futebol seja bonito, o que me interessa é o resultado no fim e nesse aspecto nada tenho a apontar ao seleccionador nacional. Agora, no que toca à escolha do onze titular tenho algumas considerações a fazer.... 

Antes de mais nada quero salientar ali que não há um único jogador convocado que seja uma nódoa a jogar futebol, uns mais, outros menos, todos ali têm a sua qualidade garantida. Temos um plantel do caraças e apesar de a média de idades dos centrais rondar os 140 anos, o meu problema com as escolhas de Fernando Santos está só no ataque. 

Cristiano Ronaldo é certo, mais que indiscutível, mas por que não André Silva também sr engenheiro? Eu percebo que o Guedes tem de ter o seu espaço, que o puto é esforçado e que até jogou bem esta temporada, mas lá está meu querido.... é um puto. Não é que o André não seja, mas a experiência do antigo jogador nestes jogos mais pesados devia ser tida em conta, até porque com a Espanha isso viu-se. Portanto, pense nisso agora no jogo com Marrocos sim ? 

Sobre o resto? Não estou preocupada. O empate soube a ginjas. agora com Marrocos a questão vai ser tranquila e a Espanha empata com o sr Dr Carlos Queiroz, depois temos é de ter atenção. Para terminar, a única coisa que me apoquenta é o facto de ainda não ter ouvido Fernando Santos a dizer que só volta para casa a 15 de Julho, mas ele irá dizê-lo, espero eu, e nessa altura saberemos todos que está mais do que ganho. Até lá, vou repetindo o ritual, vou acreditando e vou sonhando, porque o sonho existe é para ser conquistado. 


Mariana Cordeiro Ferreira 

sábado, 16 de junho de 2018

Fazes-nos sonhar, Ronaldo!


Começámos o Mundial como estava previsto: a empatar. Aliás, creio que essa começa a ser a nossa imagem de marca. Não ganhamos é verdade, mas, porra, também não há quem nos ganhe!
Sem querer entrar em euforias, acredito que está dado o primeiro passo para conquistarmos o Mundo. Contra todas as probabilidade, a Europa foi nossa e agora resta-nos sonhar com mais.


"Não somos favoritos, mas somos candidatos", palavras do melhor jogador do mundo, depois de um hat-trick. Soubesses tu, Ronaldo, o quanto fazes este povo sonhar.

Antes de falar do jogo de ontem, queria só fazer um pedido. Se possível, coração, tenta aguentar até ao fim do campeonato do mundo. Depois de todas as paragens cardíacas que tive no primeiro jogo, não sei se serei capaz de aguentar outro igual. Mas a verdade é que é típico do povo português sofrer até ao fim. 

O duelo ibérico era um dos grandes jogos desta fase de grupo e não desiludiu. Que jogo atípico! O campeão da Europa defrontou um favorito à conquista do Mundial e não é que soube bater-se à altura. Dizem por aí que o país à beira mar plantado começa agigantar-se pelo mundo fora. Dizem e dizem bem!


Portugal começou de forma imperial o jogo. Aos quatro minutos, Ronaldo abriu o ativo, na marcação de uma grande penalidade que o próprio sofreu. Bola para um lado, De Gea para o outro - e estava feito o primeiro. No entanto, os nossos hermanos têm uma seleção fenomenal e poucos minutos depois Diego Costa repôs a igualdade. (Culpa do VAR que só vê o que quer). Mas a verdade é que a seleção espanhola pratica um futebol inteligente, sabe tirar proveito dos espaços e usa e abusa da posse de bola. Mas... de que adianta tudo isso diante de uma seleção que tem o melhor jogador do mundo? Pouco antes do intervalo, Ronaldo voltou a marcar e Portugal voltava a estar na frente.
Mas o pior estava por vir... na segunda parte, e para confirmar toda a eficácia espanhola, bastaram quatro minutos para haver cambalhota no marcador. Pela primeira vez, Espanha estava na frente do marcador e geria como queria o jogo. 


Só que em todas as histórias há um super herói e neste jogo não foi diferente. A poucos minutos do fim, quando já não parecia haver soluções para não perder este jogo, eis que Ronaldo dispõe de um livre à entrada da área. Concentração, Raça e Determinação, os ingredientes que Ronaldo usou para marcar de forma sublime um livre que deixou os espanhóis com as mãos na cabeça e os portugueses a explodir de alegria.

Todos sabemos que Ronaldo não joga sozinho, mas também é certo que carrega um país às costas. Continua a fazer-nos sonhar!  




Filipa Mesquita

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Bora lá vencer os espanhóis



A Espanha é o primeiro adversário da equipa lusa no Mundial de 2018 e o principal desafio dos portugueses na fase de grupos. Os nossos vizinhos possuem um coletivo de sonho, recheado das mais conhecidas estrelas do futebol mundial, muitas delas provenientes dos grandes colossos espanhóis, Real Madrid e Barcelona.

Contudo, dada a instabilidade criada pelo despedimento de Julen Lopetegui e a inclusão de Hierro a um dia do Mundial, as chances de vencer a equipa espanhola aumentaram e se há uns dias parecia mais difícil, a partir de hoje ganha uma nova dimensão. O adversário não deixa de ser forte e uma forte candidata a vencer o Mundial mas o afastamento do técnico joga bastante a nosso favor.

Dentro de campo há que saber aproveitar a situação. Para contrariar uma Espanha atacante a melhor opção será alinhar com Rui Patrício na baliza, Cédric Soares no lado direito, Rafa Guerreiro na lateral esquerda e Pepe e Fonte (que se mostrou em bastante forma nos jogos de preparação) no coração defensivo. Depois, e sabendo que Fernando Santos, por norma, não opta pela utilização do "trinco", será viável escolher João Moutinho, João Mário para ocuparem o meio campo, com Bruno Fernandes a assumir uma posição mais avançada, por trás do ponta de lança e a descair ligeiramente para a esquerda. Na ala direita a melhor opção é Bernardo Silva e o capitão Ronaldo assume a chefia na posição de ponta de lança.

A Espanha, por seu lado, deverá alinhar com De Gea na baliza, com Carvajal (que recuperou de lesão) no lado direito da defesa e Jordi Alba no lado esquerdo. A dupla de centrais deverá ser assumida por Gerard Piqué e Sérgio Ramos. Busquets será o trinco espanhol, acompanhado por Iniesta no meio campo e ainda por Koke. A frente de ataque deverá ser composta por David Silva, Morata e Isco. A principal preocupação dos portugueses está  no meio campo forte que impulsiona muito bem os ataques de Isco e Morata, que poderão ser fatais. Penso que anulando o meio campo, poderemos condicionar bastante o adversário.

Resta esperar por sexta-feira e crer que Portugal entrará com o pé direito no campeonato do Mundo. Nós acreditamos e eles também. Metade do trabalho está feito. Resta-lhes jogar à bola.


Beatriz Manaia