segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Discrepância de orçamentos

O campeonato português tem ficado marcado, principalmente esta época, por várias queixas acerca da arbitragem feitas pelos três grandes.

Resultado de imagem para benfica vs boavista 2017

Sim em vários casos até podem ter razão mas vamos pegar no exemplo do jogo entre Benfica e Boavista este fim de semana. O clube encarnado viu-se, em menos de 30 minutos, a perder na sua própria casa frente ao Boavista, por 3 bolas a 0.

A meu ver, os 3 golos são ilegais. O primeiro nasce numa falta feito por Pizzi, bem assinalada por sinal, mas na jogada anterior fica por marcar uma falta sobre Rafa. No segundo, há uma falta sobre André Almeida e no terceiro, apesar de Iuri Ribeiro estar em posição legal, o número 30 da equipa do Bessa está em fora de jogo e faz-se ao lance.

Tudo bem que os três golos não deveriam ser válidos mas independentemente dos erros de arbitragem ou não, o Benfica pôs-se a jeito de os levar. Entrou demasiado mole e confiante que o golo acabaria por chegar.

O que eu quero chegar é o seguinte, os três grandes, ou seja, Benfica, Porto e Sporting usufruem de um orçamento muito mais elevado que os clubes ditos mais pequenos. Muitos jogadores do Boavista (continuando com o exemplo dado) ganham 1500€ por época, minimo que se paga num clube da primeira divisão enquanto que no Benfica há jogadores a ganharem 2.5 milhões de euros brutos por ano e alguns ainda ganham mais.

A discrepância entre os orçamentos dos grandes com o dos pequenos é enorme. Por isso, com casos de arbitragem ou não, Benfica, Porto e Sporting têm a obrigação de ganhar aos clubes ditos mais pequenos porque ao contrário deles, são pagos a peso de ouro para o fazerem, caso contrário não seriam as únicas três equipas candidatas a vencer o campeonato.

Bárbara Pereira