sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Há coisas que só acontecem ao Sporting!


É uma frase que se confunde com a história do Sporting. De facto existem coisas que só acontecem a este clube. Já o diziam Paulo Bento e Sá Pinto, quando orientaram o emblema verde e branco, entre 2005-2010 e 2011-2012, respectivamente.

Lances, golos, polémicas, jogadores que decidem em partidas com o Sporting e depois desaparecem futebolisticamente, os exemplos são mais que muitos. Como diz o outro "eu ainda sou do tempo", em que uma falha de eléctrica em Chaves obrigou o Sporting três dias depois a deslocar-se a Trás os Montes para jogar um minuto e meio, de um jogo que terminou empatado a uma bola. 

Foi também em Chaves, que Jorge Coroado acordou com "azia" depois de não ter visto uma grande penalidade sobre o antigo central leonino, Beto já em tempo de compensação, e que poderia ter dado a vitória. O último capítulo da "trilogia transmontana" teve lugar na passada terça-feira, onde um tal de Ponck conseguiu ao cabo de 95 jogos fazer o seu primeiro golo. Lá está coisas que acontecem!

Recordo-me também nos anos 90 de uma grande "jogatana" em Vila do Conde, onde um tal de Fernando, avançado brasileiro do Rio Ave fez um hat-trick nessa noite, mas depois nunca mais se ouviu falar dele. O Sporting acabou por vencer essa partida por 3-4, mas o destaque foi mesmo para o Fernando.

Quem também fez um hat-trick contra o Sporting foi Mauro, avançado que passou pelo Paços Ferreira, e que célebre noite de 2002 apontou três golos aos leões, na derrota por 4-0, orientava a equipa da Mata Real, José Mota. Depois disso Mauro "eclipsou-se" de tal forma que nessa época marcou apenas cinco golos no campeonato.

Se em termos de "jogadores fantasma" os exemplos estão dados, em relação a lances polémicos, mas que nunca são "vistos" temos pano para mangas. Certamente muitos sportinguistas, se recordam de um famoso União Madeira - Sporting em 1994, onde o apitador Isidoro Rodrigues, "não viu" o central Fernandinho defender com a mão um remate de Balakov, a partida terminou empatada a zero.

Em 2008 em pleno Estádio de Alvalade, João Ferreira que hoje é vice-presidente dos árbitros, foi a única pessoa que "não viu" Ronny do Paços Ferreira fazer um golo com a mão. Esse lance não só ditou a derrota do Sporting nessa noite por 0-1, como a perda por um ponto do campeonato para o FC Porto. No final do encontro Paulo Bento falava assim na sala de imprensa.


Como o texto já vai longo nem sequer vou mencionar os inúmeros casos dos derbis e clássicos com os dragões, principalmente os da década de 90. Tal como referi no início histórias e exemplos não faltam, mas acho que só me falta ver qualquer dia, um árbitro desviar "inadvertidamente" um remate de um jogador adversário e enganar o nosso guarda-redes fazendo golo.

Enfim, é também por isto que dizemos, que ser do Sporting Clube de Portugal é ser diferente, e não é para qualquer um!

Diana Fonseca