quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Sporting: Na saúde e na doença


O nome do Sporting Clube de Portugal tem estado em todos os meios de comunicação social e a especulação sobre o futuro da equipa principal tem sido fonte de rendimento a muitos meios informativos.

A verdade é que ninguém pode afirmar saber o que se passa internamente no clube, para além dos responsáveis máximos. Que os objetivos não estão a ser cumpridos, é um facto mas cabe-nos a nós, adeptos, para além de criticar construtivamente, fazer o clube sentir o apoio incondicional daqueles que amam o Sporting.

Comecemos pelo treinador. Jorge Jesus passou de bestial a besta num espaço muito curto de tempo, algo que é incompreensível para mim. Apesar de não ter conquistado nada em nome do clube no ano e meio em que treinou, há que se notar que o futebol praticado pelo Sporting melhorou substancialmente desde que o técnico chegou a Alvalade. Com alguns percalços no caminho, JJ tem vindo a dar tudo aquilo que tem à equipa e, se mais não fez, foi pela falta de recursos que lhe foram disponibilizados. As suas decisões podem ser contestadas, eu própria sou a primeira a não concordar com algumas, mas penso que, neste momento, o Sporting não necessita de outro treinador senão Jorge Jesus. Já para não mencionar o transtorno que uma alteração de liderança faria ao plantel.

Foquemo-nos agora no presidente. Bruno de Carvalho chegou ao clube num momento em que poucos teriam a coragem de chegar e tomou uma série de medidas que foram estabilizando o Sporting, tanto financeira como moralmente. Há muitos anos que não havia líderes de leão ao peito é o seu amor ao clube que me leva a acreditar que todas as decisões que tomou, foram para o bem e futuro próspero do Sporting Clube de Portugal. É certo que a paixão o leva a falar demais e que as emoções o levam por caminhos que eu mesma não aprovo mas não fosse a sua dedicação e o clube ainda se estaria a ressentir dos danos causados por Godinho Lopes e afins.

Como adeptos temos o direito de nos sentirmos revoltados com a atual situação do clube e de nos questionar-mos sobre o porquê do insucesso. No entanto, o amor ao Sporting é um sentimento diferente de qualquer outro que me obriga a estar junto do meu clube, nos bons e maus momentos. As vitórias festejam-se e as derrotas sofrem-se na esperança de dias melhores. Não sou cética ao ponto de aceitar tudo aquilo que se faz, nem de não me indignar com aquilo que passa, mas sei que é nestas alturas que o clube mais precisa dos seus adeptos. Que as nossas vozes devem ser mais sonantes nas derrotas do que nos festejos de uma vitória. É nestes momentos que as nossas vozes são precisas.

À estrutura do melhor clube do mundo apenas peço consciência do nome que representam todos os dias, maior que o dinheiro e que o poder, nome que bate forte dentro do coração de milhões de adeptos.

Ao plantel peço que honrem o símbolo que carregam ao peito e que sintam a responsabilidade e o peso que a história do clube tem. Que o vosso rendimento não se resuma aos vossos salários mas ao reconhecimento de que antes de vocês muitos jogaram por menos e com muito mais amor à camisola.
Aos adeptos digo que já passámos por momentos mais difíceis e que as tristezas valem pelas alegrias que ainda teremos.

Seguimos juntos, na saúde e na doença.
Saudações leoninas a todos.

Beatriz Manaia