quinta-feira, 27 de abril de 2017

Tirem-nos tudo, menos o Brahimi!





Neste momento falar do FC Porto causa-me alguma mágoa, confesso. É o meu clube, são as minhas cores, mas não tem sido fácil lidar com tanto desperdício. Até determinada altura brincava com os empates, até porque vi uma seleção, a melhor, a vencer o campeonato da Europa com muitos empates. Mas agora a brincadeira deixou de ter piada e arrisco-me a dizer que perdemos o campeonato frente ao Vitória de Setúbal, mas depois lembro-me que também perdemos pontos depois disso e fico sem perceber como é que é possível… Mas tão grave como perdermos pontos, e sem querer entrar em arbitragens, é perdermos o nosso mágico, o Brahimi.

É mesmo caso para dizer: Tirem-nos tudo, menos o nosso maior craque!

Não acho que se deva falar de individualidades para falar de um clube, mas neste caso, o número 8 merece todo e qualquer destaque. Porque é isso que ele tem feito, destacar-se no meio de tantos outros craques.

É importante ter um bom guarda-redes para as bolas não entrarem, é importante ter defesas para evitar que a bola se aproxime da baliza, é importante ter médios que comecem as jogadas, é importante a parte ofensiva para a bola entrar na baliza adversária… Mas também é tão importante ter um jogador capaz de mudar a monotonia dos jogos. Um jogador capaz de pegar na bola no meio campo e terminar com ela no fundo das redes. Um jogador capaz de desequilibrar, de fintar, de sentar defesas, de assistir e finalizar. No FC Porto esse jogador é o Brahimi, indiscutivelmente, não digo com isso que os outros jogadores não são importantes, porque o são.
Mas vamos a factos... começar a época sem ter lugar na equipa, não foi fácil. Caracterizavam-no por não saber jogar em equipa. Mas quem o vê hoje, não imagina como o jogo dele mudou e consequentemente mudou o jogo da equipa. Um jogador que deixou as individualidades em casa, que a usa apenas quando não há soluções, que consegue descobrir os companheiros, e jogar finalmente em equipa. Foi neste "monstro" que o Brahimi se transformou.


Foi injusto o que aconteceu em Braga, ainda hoje me questiono como é que é possível um quarto arbitro dar indicações ao arbitro para o Brahimi, no banco, ser expulso. Mas pior que isso, foi a justificação... Só porque falou em francês e face a isso o arbitro não percebeu? Mas afinal que culpa tem o jogador? Não entendo, nem vou entender. O FC Porto recorreu do castigo, mas não acredito que em Chaves o Brahimi já jogue... Um jogo tão difícil, num campo tão complicado, só espero que, mais uma vez, não termine num empate.
Ainda há hipóteses de voltarmos a vencer um campeonato, não deitem já a toalha ao chão, não peguem já nos lenços brancos. Quatro jogos, quatro finais, só podem terminar com vitórias. A união faz a força, com coragem e esforço, tudo é possível.  




Filipa Mesquita