segunda-feira, 3 de julho de 2017

A polémica do video árbitro

Mexico v Russia: Group A - FIFA Confederations Cup Russia 2017 : Fotografia de notícias

O video árbitro era e é suposto facilitar a vida do árbitro, que muitas vezes vê as suas decisões postas em causa mas esta tecnologia promete trazer ainda mais polémica.

Em Portugal, a tecnologia foi testada na final da Taça de Portugal, sem que tenha acontecido nada de espetacular mas na Taça das Confederações a história foi outra.

Não nos podemos esquecer que quem está por detrás do video árbitro são pessoas que, assim como o árbitro e a sua equipa técnica, cometem erros, propositados ou não (isso é outra conversa) mas acontecem.

Depois temos que ter em conta que muita gente desconhece quando pode ou não pode o video árbitro intervir e por isso as regras são as seguintes:

O recurso ao VAR poderá ser solicitado pelo árbitro ou então podem ser os assistentes a aconselhar o árbitro para rever a sua decisão . A seguir, os video-árbitros, que devem estar instalados numa sala de operações, revêm o lance e informam o árbitro da decisão correta, mas cabe ao árbitro decidir rever ele próprio o lance junto à linha lateral ou aceitar as recomendações.

O video-árbitro só pode ser utilizado em certas situações como:
- cartões vermelhos. O VAR vai ajudar o árbitro a decidir se deve ou não expulsar um jogador com base nas imagens do lance em questão.

-identidades trocadas. Acontece por vezes no futebol, os jogadores envolverem-se em lances mais ríspidos e envolverem-se em confrontos uns com os outros e por vezes o árbitro fica sem saber a quem tem que mostrar cartão amarelo.

-penaltys. Penaltys são sempre lances complicados pois os jogadores quando estão a atacar e chegam à grande área, têm tendencia em procurar contacto e por vezes fica dificil para o árbitro ajuizar se foi na realidade penalty ou se foi simulação por parte do jogador e, em caso de dúvida, poderá pedir o auxilio do VAR.

-por último, nos golos. Caso alguma infração seja cometida, caso o jogador tenha dado com a mão na bola ou caso tenha partido de fora de jogo, o árbitro pode anular o golo com base nas imagens.

O video-árbitro não pode ser utilizado em casos de fora de jogo a não ser que este resulte em golo mas em contra-partida, isso pode incentivar os bandeirinhas a deixarem seguir jogadas que suscitem dúvidas em relação à posição do jogador- em caso de golo, a decisão é revertida, mas só se for solicitada a intervenção do video-árbitro.

Quando o video-árbitro é solicitado, o árbitro pára o jogo e antes de revelar a sua decisão, indica fazendo a forma de um rectângulo (em alusão a uma televisão).

Quer gostemos desta nova tecnologia ou não, a época 2017/2018 em Portugal, vai ser a primeira em que o VAR vai ser utilizado e esta promete trazer ainda mais polémicas sobre a arbitragem.

Bárbara Pereira