domingo, 9 de julho de 2017

As saudades


É difícil de explicar para quem não entende, nem sabe sentir este clube como seu, o que são saudades. Saudades de quê? Saudades de sair no metro do Campo Grande e ver verde e branco até perder de vista. Saudades de percorrer o Estádio todo à volta e estar na fila para entrar. 

Saudades de voltar a sentar no lugar na bancada e ouvir o Botas dar as boas-vindas, esperar que chegue a hora do aquecimento da equipa enquanto tentamos adivinhar quais são aqueles que vão fazer parte do onze. Saudades de ouvir o onze inicial em que todos dizemos em uníssono o apelido dos homens que nos trazem alegrias. 

Saudades de levantar o cachecol na entrada das equipas e chegar a meio do Mundo Sabe Que com a lágrima no olho. Tenho saudades de ouvir a Curva Sul a cantar para os jogadores, a picar os adversários e a cantar para a bancada Norte. 

Tenho saudades de entrar ali, tenho saudades de gritar ali, de cantar ali e de desesperar com o golo que nunca mais chega, de comemorar as defesas do Rui ou do Beto com um SIIIIIIII ... Tenho saudades e sei que já não falta assim tanto para as voltar a matar, mas estas paragens e o facto de a pré-época ser fora do País só faz com que elas aumentem. Mas como um membro de família que foi de férias sei que quando voltar a matar saudades do meu Sporting a sensação será a de sempre e essa eu não consigo explicar. 


Mariana Cordeiro Ferreira