quarta-feira, 5 de julho de 2017

Desculpa a minha impaciência, mas não gosto de ti...



Medo e receio, duas palavras que representam o meu estado de espírito ao escrever este texto... primeiro de tudo quero pedir desculpa se não souber expressar a minha opinião da forma mais sensata, mas às vezes não entendo algumas escolhas relativamente aos jogadores e aos valores exorbitantes que acarretam...

O assunto sobre o qual me debruço hoje é, ainda, sobre a Taça das Confederações... Não, não vou lamentar o terceiro lugar, nem tão pouco a falta de atitude, mas sinto que tenho a obrigação de explicar, sucintamente, a utilização do André Gomes...

Não quero com isto dizer que foi o pior jogador da seleção, porque avaliando no geral o André Gomes não foi o único que ficou aquém das expectativas... Mas perdi a paciência, perdi eu e muitos adeptos, principalmente os catalães.

Gostaria de um dia ter a oportunidade de perguntar ao mister Fernando Santos o porquê da aposta consistente no André Gomes! Não estou a duvidar do nosso treinador, nem tão pouco das eventuais qualidades do médio, mas já não seria hora de as mostrar?

O setor defensivo e ofensivo mostraram algumas debilidades durante a competição, mas o meio campo? Senti, mais do que uma vez, que não conseguíamos fazer frente às equipas rivais, que não conseguíamos assumir o controlo do jogo... não, o André Gomes não foi o único culpado, mas foi o jogador que mostrou menos capacidades.

Em 10 passes efetuados, oito falharam... em três remates à baliza, dois foram totalmente desenquadrados, em oito duelos disputados em sete saiu vencido. Os números são fictícios, mas correspondem à realidade... O número 15 da equipa das quinas, mostrou ser um jogador lento, com uma fraca visão de jogo, com passes falhados, receções defeituosas e remates desastrosos. Não queria falar só de defeitos, mas ainda não encontrei as qualidades que o Barcelona encontrou e que o Fernando Santos continua acreditar que ele tem.

Perdi a paciência e na minha modesta opinião, para já, não tem lugar na seleção. É um jogador que não quero já denominar de flop, mas espero que as férias lhe façam bem, que a próxima época seja melhor e que deixe de ser alvo de chacota, mas para isso é preciso muito trabalho, determinação e confiança. Num campeonato como o espanhol e numa equipa como o Barcelona, o André Gomes tem a obrigação de ser melhor, de fazer melhor. E depois sim terá lugar nos campeões da Europa.



Filipa Mesquita