segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Há coisas que vão doer sempre

Imagem relacionada


Há uma semana atrás escrevi acerca de Nico Gaitán e esta semana escrevo acerca daquela que era e é o seu melhor amigo, Maxi Pereira.

Ainda hoje me custa a acreditar que ele se tenha transferido para o Porto, nunca na vida achei isso algo provável de acontecer.

Em 2015 foi quando se sucedeu e eu até à última o defendi. Sabem o que era estar numa rede social a dizer que nunca na vida o Maxi iria trair o clube, que 8 anos de Benfica não são 8 dias, um jogador que dava tudo em campo por nós, que enquanto nós chamavamos raça, alguém o chamava de arruaceiro, até que alguém me manda um link e pede desculpa.

No link estava o Maxi, abraçado ao Lopetegui, no estágio do Porto na Alemanha. O meu mundo desabou, comecei a chorar e recusei-me a acreditar, mas era verdade.

Só de pensar que nesse mesmo verão estava indecisa sobre qual nome colocar na camisola. O Enzo estava certo no Valência, o Nico era vendido todos os anos pelos jornais e o Maxi, bem o Maxi era o nosso capitão, aquele jogador que lutava com unhas e garras para honrar o símbolo que carregava ao peito. O 10 falou mais alto e ainda bem que o fez.

Demorei a acreditar, eu via os jogos do Porto e ouvia o nome dele mas a ficha não caía. Mas caíu, no Dragão, no primeiro jogo que o Maxi fez contra nós. Deu confusão como é óbvio, desde Mitroglou a pegar-se com ele, ao Nico ter de ir separar o amigo de Samaris.

Comecei a chorar em pleno café. Já não bastava ele ter "traído" o Benfica, como também tinha de ir arranjar confusão com aqueles que eram no ano anterior, seus colegas de equipa?

Depois foi na Luz, quando ele marcou e festejou. Eu compreendo que depois de todos os insultos e tudo mais ele nos provocasse mas ele estava à espera de quê?

O Maxi era só o jogador mais acarinhado do Benfica, o nosso segundo capitão, que nós sempre defendemos contra aqueles que agora o acolhem. Enquanto que lhe chamavam arruaceiro, filho da p***, nós diziamos que era a garra e determinação, era um jogador que sentia as cores do clube e que lutava por nós. E agora olha onde estamos.

Tem certos jogadores que nunca pensei vir a ver a representar as cores de outro clube em Portugal sem ser o Benfica e quando vejo certas notícias como a do Nico a ir para o Sporting, quero acreditar que é mentira, que nunca na vida esse jogador, seja o Nico ou outro, que iá vestir a camisola de um dos rivais mas desde o episódio do Maxi que é só mesmo um acreditar que não, mas já não digo com certezas nem defendo quem quer que seja, porque a última vez que o fiz, correu-me mal.


Bárbara Pereira