sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Há sonhos que o dinheiro não compra!




Magia - é esta a palavra que, para mim, simboliza o futebol. Uma modalidade caracterizada pelo turbilhão de emoções que provoca nos adeptos. Um desporto tão vibrante quanto apaixonante... mas, ainda assim, há quem insista em estraga-lo.

Hoje até podia falar dos ditos três grandes - os principais causadores da discórdia em Portugal - mas prefiro opinar quanto às escolhas televisivas. Sim, escolhas televisivas.

Já há muito que se sabe que os jogos de futebol do panorama nacional passam na Sport tv, no entanto nem todos os clubes têm esse dito direito. Uma coisa é o campeonato - que merece esse devido destaque - mas outra não menos importante é a Taça de Portugal. 
O que me leva a constatar o quão intolerante foi o facto de um dos jogos dos quartos-de-final da prova rainha não ter sido transmitido. O facto de não ter o mesmo número de adeptos do que um FC Porto ou Sporting, não significa que não mereça o mesmo destaque, o mesmo brio. Que justificação plausível pode ser dada? 

Aqueles adeptos que se deslocaram ao estádio, os outros tantos que ficaram em casa, mas a vibrar... sentem o mesmo amor. São adeptos e quando assim o é a idolatração é exatamente a mesma. O facto do Caldas x Farense não ter sido transmitido na televisão só serviu para uma coisa: para não mostrar a magia do futebol.

Que jogo que foi, que emoção, que encantamento. Pela primeira vez na história o Caldas chega à meia-final da Taça de Portugal. Um clube do Campeonato de Portugal, um clube onde os jogadores trabalham diariamente noutros ofícios para terem dinheiro. Um clube onde os jogadores jogam não pelo dinheiro - porque esse é escasso - mas pela paixão. É o amor à camisola que os move. Representam um clube, um local. As pessoas das Caldas da Rainha foram ali representadas, faladas... são essas mesmas pessoas que sentem um orgulho imensurável por este emblema.
Agora pergunto... esta descriminação deve-se apenas à estupidez ou tem outro fator aliado?

Que se valorize o futebol, o que ele é, o que ele traz e não aquilo que o dinheiro compra. Porque o que é importante não tem um valor.