quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Mais amor, por favor!



Hoje como é o último dia de fevereiro, mês que intitulamos como mês do amor, pretendo dar seguimento ao que tem sido feito. E, sinceramente, o assunto que trago hoje encerra da melhor maneira este mesmo período. 
Podia falar de um jogador ou até mesmo de um clube, mas e se dermos protagonismo a quem nem sempre é falado, mas que está sempre presente? Falo dos adeptos... os que estão em cada jogo, a cada batalha, em cada final.

Infelizmente, atravessamos uma fase em que o futebol começa a perder o seu brio, não por culpa própria, mas por culpa de quem não sabe valorizar esta modalidade. Por culpa de quem prefere apontar os defeitos dos adversários em vez de corrigir os defeitos do próprio clube.

Numa altura em que os meios de comunicação social prestigiam a má língua em detrimento do bom futebol. Em que presidentes se acusam mutuamente fora dos relvados. Em que os jogadores perdem a cabeça em campo, sem olhar a meios para atingir os seus fins. Fala-se em e-mails, em árbitros comprados, corrupção... fala-se de tudo, menos do que realmente interessa: o futebol.

Fala-se de tanta coisa insignificante... esquecem-se do amor, esquecem-se da força que move o futebol, as multidões.

Não houvesse tantas guerrinhas e este desporto era ainda mais apaixonante. 
O que me amedronta é ver adeptos a assobiar a própria equipa, já vi isso em todos os clubes, incluindo mo meu. A esses garanto que não dedico este texto! Viver de conveniências é para os fracos.


Hoje falo apenas para quem sofre, vibra, chora, mas no fim... no fim mantém o mesmo amor, a mesma fé.

Falo para aqueles adeptos que nunca viram o seu clube vencer nada, falo para aqueles que tiveram de esperar anos para festejar um campeonato e para aqueles que já não o festejam há uns bons anos. Falo para os adeptos que não vencem sempre, mas apoiam incondicionalmente. A esses, o meu obrigada. São o exemplo ténue de como o amor deve ser vivido. 
As coisas não são perfeitas, não correm sempre bem, mas quando se ama... quando se ama o feio torna-se bonito, as dores tornam-se aprendizagens e as vitórias ganham outro sabor.


O futebol é o melhor que pode haver, mas não teria o mesmo encanto se as bancadas tivessem vazias. Valorize-se o futebol, os adeptos e, sobretudo, o amor. Que nunca nenhum ódio ou rancor supere o amor que move os adeptos - os verdadeiros que fazem a festa que é o futebol.  

Filipa Mesquita