segunda-feira, 26 de março de 2018

O jogador foi... mas o torcedor fica



"O jogador vai, mas o torcedor fica", foi assim que Ederson Moraes se despediu do Benfica e dos adeptos no seu instagram.

Guarda redes de 24 anos, chegou a Portugal com 15 anos proveniente do São Paulo. Vestiu logo a camisola encarnada e com 18 anos foi emprestado ao Ribeirão. 

No ano seguinte, foi o Rio Ave que o acolheu e essa foi a sua casa durante 3 anos, até que em 2015 o brasileiro regressou ao Benfica. 

Inicialmente, Júlio César era o dono da baliza, sendo que Ederson jogava na Taça da Liga e Taça de Portugal, mas no dia 5/3/2016 tudo mudou. Júlio César tínha-se çesionado no dia anterior ao jogo com o Sporting e coube a Ederson substituir o guardião brasileiro.

A partir desse dia e beneficiando da lesão de Júlio, Ederson manteve-se o titular em praticamente todas as competições, até sair do Benfica.

Conhecido pelo seu pontapé colocado e pelas saídas rápidas à bola, o brasileiro sempre quis ser guarda redes mas ficava até mais tarde nos treinos a melhorar a sua colocação de bola.

Em 2017 foi vendido para o Manchester City por 40 milhões de euros, cerca de 34 milhões de libras, sendo o guarda redes mais caro do mundo em libras e o segundo guarda redes mais caro da história em euros, a seguir a Gigi Buffon.

Pelo Benfica venceu o campeonato português em 2015/2016 e 2016/2017, a Taça de Portugal em 2016/2017, a Taça da Liga em 2015/2016 e a Supertaça Cândido de Oliveira em 2016. 

Ao serviço de Pep Guardiola venceu a Taça da Liga Inglesa.

Em dois anos de titular na equipa principal do Benfica, Ederson Moraes já fez história e vai para sempre ser considerado um dos melhores e mais jovens guarda-redes que passaram pelo clube e será sempre muito acarinhado pelos adeptos encarnados.



Bárbara Pereira