sexta-feira, 27 de abril de 2018

Liverpool vs Roma: O show de Salah


"Sem sombra de dúvida, o Salah é o melhor jogador do planeta neste momento". Esta frase foi proferida pela antiga lenda do Liverpool, Steven Gerrard. Um craque, com uma carreira tão bonita, dizer isto tem algum peso, independentemente de ser apenas uma opinião. Mas será que só Gerrard pensa desta forma?

Recuamos à passada terça-feira... Roma e Liverpool encontraram-se para disputar a primeira mão da meia-final da liga dos campeões. Um jogo importantíssimo, com um nível de exigência superior ao habitual. Um jogo em que só quem é realmente bom consegue fazer a diferença. Salah fez, Firmino também, mas a forma como o egípcio faz as coisas são impressionantes.

Salah antes de chegar a Inglaterra estava em Itália... a jogar precisamente no Roma. Este fator, por si só, já era preponderante, mas nem isso lhe tirou o profissionalismo. Teve uma maneira esplêndida de jogar e de fazer jogar. Marcou e deu a marcar. Tem sido a referência do Liverpool e neste jogo não foi diferente.

Uma partida que começou a todo o gás, com a equipa da casa a mostrar um poderio inacreditável. O que o trio ofensivo do Liverpool tem feito, tem sido de outro mundo. Salah, Mané e Firmino têm feito as delicias dos adeptos e quem mais podia aquecer uma meia-final? Os três deixaram marca no jogo. Os três marcaram. Salah e Firmino bisaram e assistiram. É inegável. Esta equipa esteve de pé quente diante de um Roma que não teve argumentos para parar a rapidez dos homens da casa. Só perto do fim é que os italianos reduziram e selaram a derrota por 5-2. Um resultado avolumado que obriga a Roma a fazer um novo milagre. Mas será possível? Sabe-se em maio. O que se sabe hoje, ou melhor, o que se vai sabendo já, é que Salah está a fazer uma época de sonho. Em 47 jogos, já leva 43 golos pelos reds e tornou-se, aliás, o primeiro jogador a marcar dois golos e a fazer duas assistências numa meia-final da liga dos campeões. 

Há motivos para acreditar que pode entrar na discussão pela bola de ouro? Há. 
Uma coisa é certa, a confirmar-se que Ronaldo e Messi não são deste planeta, então sim, Gerrard tem razão. 


Filipa Mesquita