sexta-feira, 22 de junho de 2018

Goleada orquestrada por Modric

Antes do Mundial começar já se ouvia apostas, prognósticos e até equipas eliminadas sem sequer terem jogado. Mas a verdade é que para os amantes de futebol este campeonato do mundo tem sido divinal. Cada jogo é uma incerteza, uma incógnita, uma surpresa. Os ingredientes mágicos que prendem os adeptos ao ecrã. 

Depois de uma primeira jornada com surpresas, a começar pela derrota da Alemanha e o empate do Brasil, sem esquecer que Senegal e Japão lideram o grupo da Colômbia e da Polónia, eis que a Croácia arrasa a Argentina.

Já se sabia que este seria um dos jogos mais emocionantes, mas, e apesar dos croatas terem feito um bom campeonato da Europa, eram os argentinos que assumiam o favoritismo. Mas a verdade é que tem se provado cada vez mais uma coisa: o poder de uma equipa supera o poder das individualidades e é isso que tem feito a diferença.

Apesar da primeira parte ter sido dividida e até bem disputada dentro daquilo que se pedia, a verdade é que na segunda parte os croatas foram letais! Letais se calhar até é pouco para caracterizar o jogo incrível que esta seleção foi capaz de fazer. Apesar de algum demérito da Argentina, a verdade é que a Croácia teve argumentos para os três golos e podia ter feito mais ainda.
Não queria estar a individualizar ninguém, mas há dois jogadores que merecem este destaque, um pela positiva, outro pela negativa. Caballero teve uma noite para esquecer, talvez a responsabilidade de defender a cores da Argentina tenha sido tarefa difícil de assumir. Há que estar conscientes que a pressão feita pelos adeptos e meios de comunicação social tem sido uma constante. Mas, num campeonato do Mundo, passar a bola para um adversário é imperdoável. E deu asas a esta derrota.
Depois, pela positiva, aparece o mágico Modric que, fora da área, marcou um golaço que confirmava a superioridade croata. Modric é a imagem desta equipa, orquestra o meio-campo e ainda brilha na frente, não é a toa que é um dos melhores, se não o melhor, na sua posição. Já no fim Rakitic fez o resto, selou uma vitória histórica para a sua seleção que, com esta vitória, classifica-se para os oitavos de final. Já a Argentina, com esta pesada derrota, para além de estar obrigado a vencer a Nigéria está dependente de terceiros.
  




Filipa Mesquita